O Corcovado e o Redentor

A paisagem vista da minha janela, do morro do Corcovado e do Cristo Redentor, dirigiu meu olhar para o céu. Encantada, passei a fotografar diariamente o que poderia ser observado por todos: a paisagem considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno. Sempre o mesmo ângulo e a mesma janela. Vislumbrei tanto as formas abstratas das nuvens até as formas que minha imaginação me levou a ver. Retratei o céu tingido por diversas cores. Branco, azul, rosa, amarelo. Até pelo vermelho intenso como se o céu estivesse em chamas. Procurei explicação na ciência. Mas foi na fotografia que encontrei o aparato para expressar sentimentos e evocar sensações. Nascia, assim, o ensaio que deu origem a minha carreira de fotógrafa.

 

O convite de Dom Orani Tempesta,  arcebispo do Rio de Janeiro, e do Padre Omar Raposo, reitor do Santurário do Cristo Redentor do Corcovado, para expor na base do monumento do Cristo Redentor, no morro do corcovado, selou minha participação em um dos eventos oficiais da Jornada Mundial da Juventude 2013. "O Corcovado, o redentor e uma oração" foi a primeira exposição realizada no local desde a sua inauguração em 1931. Ao todo treze imagens percorriam um caminho de oração. De uma oração universal: o Pai Nosso. Assim, a força das imagens ficaram responsáveis por transmitir e fomentar uma reflexão sobre o principal fundamento da oração: a humildade.

 

 

Claudia  Martini